Acima, a redatora e apresentadora Kátia Bagnarelli com duas frutas, uma orgânica e outra convencional, gravando a chamada desta edição

Se você estivesse andando tranquilamente pela feira ou supermercado e um feirante ou funcionário lhe oferecesse duas frutas aparentemente iguais mas com os dizeres em cada uma delas: aqui tem agrotóxicos e, aqui não tem agrotóxicos, qual delas você comeria?

Parece óbvio dizer que aceitaríamos aquela que não tivesse venenos, se as duas estivessem à disposição. Entretanto, vivemos em tempos conturbados, de extrema pressa e preocupações, agravados ainda mais pela pandemia de covid19, e mal percebemos o que estão nos oferecendo.

A cada dia que passa temos nos perguntado: Por quê estou comendo isso? Por quê estou tão apressado? Por quê estou tão preocupado? Mas, apesar de nos questionarmos, ainda não conhecemos bem o caminho para as respostas.

Ouvimos falar em sustentabilidade, mas não conseguimos aplicá-la em nosso dia a dia de forma simples. Sabemos que os alimentos orgânicos fazem bem à saúde do planeta e à nossa, mas não conseguimos manter um comportamento de consumo consciente.

Será que a chegada de super heróis na Terra pode nos mover como consciência coletiva a este novo lugar de saúde e regeneração?

Pois bem, o jornal Onews traz uma versão especial, repleta de super heróis para que possamos nos contagiar e nos deixar engajar por eles e seus exemplos de vida, através da agricultura orgânica brasileira, da música e das artes.

Em primeira pessoa, histórias surpreendentes de gente simples como nós, mas decidida sobre o que quer deixar de si mesma nesta vida e neste planeta.

Exemplos que nos impactam pela verdade, transparência, autenticidade, naturalidade, resiliência, paixão, persistência, coragem e empatia perante a natureza.

Super poderes, estes, que fazem de seus empreendimentos verdadeiros patrimônios nacionais de sucesso e responsabilidade. Suas vozes não chegariam até nós se não estivéssemos dispostos a ouvi-las. Quando Lia Palm relata de forma apaixonante seu trabalho como servidora pública em prol da agricultura orgânica e das boas práticas, quando Sheizi Naka questiona sua própria lembrança de infância a espera de um Brasil próspero, quando Renata Petrone explica como é transformar sua realidade para melhor a todo instante apesar das dificuldades, quando Dami Alves escolhe o nome de sua marca de biojóias como forma de empoderar a reflexão e o despertar humanos, quando o trio Luciano, Mauro e Léo decide calçar uma botina poderosa e abraçar o pequeno agricultor brasileiro em prol da certificação que mudará a história do campo para sempre, quando Cobi Cruz faz poesia para conquistar a mudança de comportamento da humanidade através do riso e da musicalidade como líder institucional do movimento dos orgânicos, quando Valdecir Queiroz se propõe a ser luz na escuridão da agricultura convencional em transição para a orgânica modificando corações humanos na jornada, quando Sr. Manoel e Sra Claudia superam a ausência de sucessores no campo e seguem dando aula de como ser consciente e resiliente pode provocar a reconstrução da comunidade e regenerar o solo ao mesmo tempo, ou quando Lairton Régis abandona a cidade e transforma com seu grupo a dor da seca no Ceará em fruta brilhante e saborosa apesar da falta de investimento e de assistência técnica gratuita, quando tudo isso acontece e nós ficamos sabendo, não há como sermos os mesmos.

Que a companhia destes heróis a partir de agora seja suficiente para que o seu comportamento de consumo, leitor, seja um exemplo também.

Leia com uma criança, a edição apresenta imagens para colorir, porque nós acreditamos que somos os agentes da mudança que esperamos no outro.

Aproveite.

Todo Mundo On!

Kátia Bagnarelli

editorial@onews.com.br

Kátia Bagnarelli em visita ao agricultor orgânico Robson, na propriedade Baruc
Kátia Bagnarelli em visita ao agricultor orgânico Robson, na propriedade Baruc
Kátia Bagnarelli em visita ao agricultor orgânico Robson, na propriedade Baruc