Vista aérea da cidade. Crédito das imagens: Stefano Boeri Architetti

A vez do México, no futuro

Smart Forest City de Cancún, a nova cidade dos quatro Rs: redução, reparo, reutilização e reciclagem

Cancun Smart Forest City é um projeto de cidade do arquiteto e urbanista italiano Stefano Boeri, nascido em Milão em 1956, é PhD em Arquitetura pela Universidade Iuav de Veneza. O projeto da cidade de Floresta no México cobre 557 hectares e terá capacidade para abrigar até 130.000 habitantes. A área metropolitana abrigará 362 hectares de superfícies plantadas e 120.000 plantas de 350 espécies diferentes, baseadas no conceito de design de uma cidade aberta e internacional inspirada nos valores da inovação tecnológica e da qualidade ambiental. Com telhados de jardim e fachadas verdes, o terreno utilizado para vegetação e para construção cobre áreas equivalentes, devolvendo assim em grande parte do território a vegetação que de outra forma teria sido dedicada à construção de um grande centro comercial. O projeto da nova Forest City inclui um campus de inovação de alta tecnologia onde departamentos universitários, organizações, laboratórios e empresas trabalharão em um nível global para resolver as principais questões de sustentabilidade ambiental e o futuro do planeta. Dentro deste campus, também haverá centros de pesquisa e desenvolvimento destinados a hospedar estudantes e pesquisadores não apenas de universidades mexicanas, mas de instituições líderes mundiais.

O Smart Forest City

Pensado como um assentamento autossuficiente na produção de energia por meio de um anel perimetral de painéis fotovoltaicos e um canal de água conectado ao mar por meio de um sistema subterrâneo que permite que a cidade seja irrigada de forma sustentável. Esta escolha incentiva o desenvolvimento de uma economia circular em torno do tema do uso da água, (um dos elementos-chave do projeto) que é coletada na entrada da cidade em um grande cais e uma torre de dessalinização e posteriormente distribuída através de um sistema de canais navegáveis ​​permitindo a sua distribuição pelas zonas habitadas e a rega dos campos agrícolas envolventes. A nova Forest City também está na vanguarda em termos de mobilidade, graças a um sistema de transporte altamente desenvolvido que exige que tanto residentes quanto visitantes deixem todos os veículos movidos a combustão interna nos limites da cidade, uma vez que a mobilidade dentro da cidade é exclusivamente elétrica e semi- automática.

O projeto foi elaborado de acordo com os princípios do planejamento urbano não determinístico. Uma vez estabelecida a definição dos invariáveis ​​de grande escala do enquadramento urbano no que se refere às infraestruturas energéticas, juntamente com a mobilidade, a vegetação, a presença dos mais importantes núcleos de investigação e desenvolvimento e o direito de cada habitante a ter todos os serviços disponíveis a uma caminhada curta e/ou distâncias de bicicleta, a cidade proporcionará uma enorme flexibilidade na distribuição dos vários tipos de edifícios e arquitetônicos.

Crédito das imagens: Stefano Boeri Architetti

A Smart Forest City de Cancún é, portanto, um jardim botânico dentro de uma cidade contemporânea, baseada na herança local tradicional e em suas relações com o mundo natural e sagrado.

É um ecossistema urbano em que a natureza e a cidade se entrelaçam e atuam como um único organismo, deixando espaço para uma vegetação não cuidada plantada em terrenos de uso público e que é considerada um elemento fundamental do projeto.

A necessidade humana de encontrar soluções que envolvam uma mudança de perspectiva na forma como as atividades são realizadas, desde a forma como produzimos até a forma como consumimos, ainda é dominante.

O caminho que leva a bens e serviços desmaterializados e desintoxicados pode ser resumido pelos quatro Rs: redução, reparo, reutilização e reciclagem.

A Smart Forest City atende a essas necessidades de desenvolvimento, permitindo e incentivando a educação e o empoderamento econômico – especialmente das mulheres – desenvolvendo soluções, estilos de vida e formas de comportamento radicalmente mais ecoeficientes que começam com a redução da demanda geral por energia e uma diminuição na produção de resíduos.

O Cancun Smart Forest City adota a filosofia defendida por E. Glissant no que diz respeito ao conceito de Mondialité, tornando-se um dos seus pilares fundamentais para estimular a investigação e o intercâmbio entre países. Mondialité significa não pertencer a pátrias ou nações exclusivas, mas a Lugares – feitos de intercâmbios linguísticos, divindades livres, terras nativas não especificadas, línguas e geografias escolhidas e entrelaçadas entre terras – dos quais a Cidade da Floresta se torna parte, abraçando a Criolização como uma forma de impulsionar o desenvolvimento social e económico, permitindo a coexistência de acessibilidades e de miscigenação num mesmo espaço.

Concebido como um campus, o projeto será uma importante oportunidade e um grande investimento para enriquecer o capital humano e de pesquisa, planejado em torno de uma série de características essenciais e no marco dos processos de urbanização. Estações de tratamento de água, produção de alimentos, jardins de inverno, caminhos de inovação, canais navegáveis, centros de mobilidade, dessalinização e sistemas capilares para jardins públicos e privados estão interligados como elementos de inovação e tradição na nova cidade sustentável do México.

Crédito das imagens: Stefano Boeri Architetti
Crédito das imagens: Stefano Boeri Architetti